Obras

A Concessionária Porto Novo executou as obras do novo sistema viário implantado na Região Portuária. Duas novas vias substituiram o Viaduto da Perimetral e a atual Avenida Rodrigues Alves, transformada na Via Expressa. Com isso, além de promover a organização e o reordenamento do tráfego, o novo sistema melhorou em 27% a capacidade de escoamento do trânsito local.

Concomitante a esse projeto, foram implementados: os leitos para o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), um moderno transporte de massa com capacidade para transportar até 9 mil passageiros por hora, que, integrado ao bilhete único, liga trens, metrô, rodoviária, BRTs, barcas e aeroportos; melhores e novas calçadas para pedestres; e 17 km de ciclovia, que, junto com o sistema viário, formam um novo conceito de mobilidade urbana. Além disso, as ruas da região estão sendo reformadas, com novo mobiliário urbano e substituição da fiação aérea pela subterrânea.

A Região Portuária, por muito tempo abandonada, vai se transformando numa das áreas com melhor infraestrutura e serviços da cidade.

tunel

4 KM de Túneisem construção

rua

70 KM de Ruasreformadas

calcada

650 Mil M²de calçadas

Via binário do Porto

A Via Binário do Porto tem 3,5 km de extensão e é paralela à Avenida Rodrigues Alves. No novo sistema viário da Região Portuária, tem o importante papel de distribuir o trânsito no entorno do Centro e entre os bairros do Santo Cristo, Saúde e Gamboa. Liga a Rua Primeiro de Março às rampas do Gasômetro com duas pistas e três faixas em cada sentido. Aproveitando as antigas rotas dos trens que cruzavam a região dos armazéns, conectando as ruas Equador e General Luís Mendes de Morais e também as avenidas Venezuela e Barão de Tefé.

Túneis do Binário

Inaugurado no dia 1º de março de 2015, o Túnel Rio 450 foi batizado em homenagem ao aniversário da cidade. Com sentido único, do Centro para o Caju, tem 1.480 metros de extensão e capacidade de tráfego de 55 mil veículos por dia. A Via Binário possui um segundo túnel, o Nina Maria de Carvalho Elias Rabha, que passa sob o morro da Saúde. Com 80 metros, é composto por duas pistas com três faixas cada, além de uma pista central para a passagem do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Túnel VLT

No trecho do novo passeio público, que ocupa parte da atual Av. Rodrigues Alves, foi instalado o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), um moderno e confortável transporte de massa com capacidade para transportar até 9 mil passageiros por hora e que, integrado ao bilhete único,se estende por toda a Região Portuária e o Centro do Rio, ligando trens, metrô, rodoviária, BRTs, barcas e aeroportos, e criando a capilaridade da circulação do transporte de massa na Região Portuária por meio de suas 42 estações. O Túnel da Rede Ferroviária Federal, que passa sob o Morro da Providência, foi totalmente recuperado e alargado, reabrindo um caminho de 314 metros para a passagem do VLT.

Além do leito do VLT, a Concessionária Porto Novo construiu 61 mil m² de passeio público, uma grande área que integra equipamentos de cultura e novos empreendimentos na Avenida Rodrigues Alves, entre a Praça Mauá e o Armazém 8, promovendo a requalificação de todas as calçadas da região para proporcionar a melhor circulação dos pedestres e criando 17 km de ciclovias.

Via Expressa

A Via Expressa, que substituiu a Avenida Rodrigues Alves, conta com dois túneis paralelos com três pistas em cada sentido, em direção à Avenida Brasil e ao Aeroporto Santos Dumont. Os acessos subterrâneos da Expressa ligam o Mergulhão da Praça XV até a altura do Armazém 8, com desemboque na própria Rodrigues Alves. O Túnel da Via Expressa permitiu a construção da Orla da Guanabara Prefeito Luiz Paulo Conde, área de 3,5 Km que se estende por toda a frente marítima do Armazém 8 do Cais do Porto à Praça da Misericórdia. Um caminho arborizado com 215 mil m², por onde passam apenas Veículos Leves sobre Trilhos, pedestres e bicicletas. 

A extensão da Via Expressa – 6.847 m – compreende os seguintes trechos: trecho em superfície da Rodoviária Novo Rio até a Rua Rivadavia Correa; trecho em vala a céu aberto (VCA) e cut and cover até a Rua Silvino Montenegro; trecho em túnel até a Praça Barão de Ladário/Poço Marinha; trecho em cut and cover até a saída do Mergulhão existente na Praça XV; e trecho em VCA até o 3º COMAR.

A extensão do túnel da Via Expressa – 3.022 – compreende os seguintes trechos: trecho em cut and cover até a Rua Silvino Montenegro; trecho em túnel até a Praça Barão de Ladário/Poço Marinha; e trecho em cut and cover até a saída do Mergulhão existente na Praça XV.

Demolição da Perimetral

A Perimetral foi substituída por um conjunto de soluções viárias e de transporte público como o VLT, além de novos espaços para pedestres e ciclovias. As soluções viárias absorveram o fluxo de veículos que circulava pelo antigo elevado. A nova malha viária é composta por duas grandes vias que aumentaram em 27% a capacidade do tráfego:a Via Binário do Porto, em substituição à Avenida Rodrigues Alves, com três faixas por sentido e várias saídas para distribuição interna do trânsito; e a Via Expressa, com dois túneis paralelos com pistas em direção à Avenida Brasil e ao Aeroporto Santos Dumont, sendo uma alternativa para os motoristas que apenas usam a área como passagem.

INFRAESTRUTURA DAS RUAS

A Concessionária Porto Novo está executando as obras de infraestrutura urbana nas ruas da Região Portuária para implantar novas redes de água, saneamento, drenagem, energia, gás natural, telecomunicação e iluminação. A Porto Novo está implementando toda a rede subterrânea com 122 km de redes de água potável; 36,5 km de redes de drenagem e 11 km de galerias de drenagem; 84 km de redes de esgoto; e 26 km de redes de gás e dutos para o cabeamento da rede de fibra óptica.

As intervenções de drenagem, já em curso, vão ampliar a capacidade de escoamento das águas das chuvas, aumentando de três para nove o número de saídas de água na Baía de Guanabara. As galerias, hoje com 80 cm de diâmetro, estão sendo substituídas por galerias novas, onze vezes maiores: de 80 cm de diâmetro, passarão a medir 3,20 m por 1,80 m. Além de separar as redes de esgoto e drenagem, estão sendo construídas três estações de tempo seco (Rios Maracanã, Comprido e Papa Couve), que contribuirão diretamente com a qualidade das águas dos rios que desembocam no Canal do Mangue e ajudarão na despoluição da Baía de Guanabara.

MUSEU DO AMANHÃ

O Museu do Amanhã, concebido pelo renomado arquiteto espanhol Santiago Calatrava, representa uma das âncoras do projeto de requalificação da Região Portuária. O prédio possuí 15 mil m² e sua arquitetura dialoga com a temática da sustentabilidade. O projeto utiliza recursos naturais do local, como a água da Baía de Guanabara, utilizada para diminuir a temperatura do interior do museu e filtrada no espelho d’água no entorno do prédio. O projeto contempla também a captação de energia solar, entre outras ações, e a busca da certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design, ou Liderança em Energia e Projeto Ambiental, em português), concedida pelo Green Building Council (USGBC). O selo é concedido a projetos novos ou construções já existentes que atendam a uma lista de requisitos, presentes em todos os projetos e nas etapas das obras. Foi criada também uma grande área verde, com paisagismo projetado por Santiago Calatrava e desenvolvido pelo escritório carioca Burle Marx e Cia, à beira-mar. Com cerca de 30 mil m², o parque conta com lazer e ciclovia envolvendo o prédio do museu e democratizando o acesso a uma das paisagens mais bonitas e históricas da cidade, com o Morro da Conceição e o Mosteiro de São Bento ao fundo.

RESERVATÓRIO MORRO DO PINTO

O reservatório do Morro do Pinto, localizado na Região Portuária, foi construído com o objetivo de abastecer a área de 5 milhões de m² contemplada na Operação Urbana. Tem capacidade de armazenar 15 mil m³ de água.

ADUTORA

A adutora está sendo construída para ligar o Reservatório do Pedregulho, no bairro de São Cristóvão, ao Reservatório do Morro do Pinto, na Região Portuária. O procedimento será realizado para aperfeiçoar o fornecimento de água aos moradores.